domingo, 16 de dezembro de 2007

Machismo misógeno

Reza a lenda que os sapos espirram um leite branco cujas propriedades afrodisíacas têm por efeito cegar as fêmeas da espécie humana. Na verdade, os príncipes também. Estudos sócio-culturais e biológicos apontam razões distintas porém complementares no entendimento de porque diferentes parcelas e faixas etárias dos seres humanos do sexo fêmea preferem ser cegadas por sapos, enquanto que outras são fervorosas adeptas do “lacto-régium”.

Apesar de ser de domínio público que se devidamente osculado, mesmo o sapo de seus pesadelos poderá tornar-se no príncipe dos seus sonhos, há forte resistência da comunidade científica em aceitar este argumento como explicação definitiva para as até agora incompreensíveis flutuações comportamentais femininas no caso em questão, uma vez que as experiências efetuadas até agora indicam tratar-se de uma via de mão dupla, com sapos emprincipando e príncipes sapeando conforme o progresso da embeijação.

As mais avançadas teorias sobre o assunto sustentam que a suposta transmutação – traduzida na equação alquímica: sapo/príncipe = príncipe/sapo – não passaria de um tipo de auto-hipnose, desencadeada pelo estímulo desenfreado a certas áreas excessivamente suscetíveis da psique de algumas fêmeas, as quais em estado próximo ao do transe místico, chegariam em casos extremos a induzir as demais à uma espécie de frenesi grupal através de uma complexa rede de atos cuja simbologia agiria diretamente sobre o inconsciente coletivo.

Nesse sentido é emblemático o caso da belga Daphne Duvall* , que em meados dos anos oitenta tentou processar por falsidade ideológica um membro da dinastia Du Maurier**, alegando que durante suas núpcias este revelou-se não como o príncipe esperado, mas como um sapo coaxante. Testemunhas osculares e vídeos do acontecido acabaram por demonstrar como Dee Dee***, em seu delírio, atribuía a seu macho qualidades inexistentes, revelando que todo o caso não passava de uma pequena aleitada seguida de um sonoro arroto.

A partir do apresentado, a tendência atual é concluir que o sapo de uma é o príncipe de outra, muito embora grupos feministas já estejam articulados para combater em várias frentes o que classificam como “darwinismo sexual”, sendo que alguns dos mais extremados estão sendo investigados por suspeita de terrorismo, como a explosão de diversos símbolos ao redor do mundo que poderiam ser classificados como “falicamente opressores”.


*Nome fictício adotado para proteger a identidade dos envolvidos.

**Idem

***Apelido fictício adotado para proteger a identidade dos envolvidos



Paulo Eduardo de Freitas Maciel de Souza y Gonçalves

15 comentários:

Andressa, o demônio. disse...

Ho. Este blog é bem mais legal...

Mas olhe, é pelos motivos apresentados no seu texto que pessoas com problemas de androginia são mais felizes. Sou a prova viva disso. Pode crer. (y)

hahahhahahaaha

AnaCrônica disse...

"osculum obscenum"

"grecus osculum"

quanta coisa nojenta envolvendo sapos e leite...mas eu me divirto, sabe?

bruna disse...

contento-me com o sapo, na esperanca de que um dia ele volte a ser o sapo que eu sempre sonhei.

Luiselza Pinto disse...

Sinceramente... Os sapos são menos entediantes; são mais profundos e, com uma boa dose de fluidos corporais e mentais inconfessáveis, deixam o relacionamento mais intenso. Melhor uma língua áspera, de horizontes sem freios e profícua à uma face, tão somente, de "valor" tópico. Excelente seu blog.

Anônimo disse...

http://misoginiayliberacion.blogspot.com/

Rehtse Arbacam disse...

Se esse texto fosse verossímeo, eu viraria lésbica.

Rômulo Lopes disse...

Eu juro que tentei, mas ainda não entendi nada.
Talvez seja o sono.

Nikku disse...

Textos não de autoria própria...

Lívia Lunardi disse...

hauhauhauauahu.....
pois é!

o sapo de um é o principe da outra...
e sempre foi assim.. rsrs

ow, complexo seu texto hein?? rs
bjoo

Emilinha disse...

"O sapo de uma é o príncipe de outra". Talvez a melhor colocação que já vi sobre o assunto até hoje! O problema é o beijo. LEe é o que torna o sapo um príncipe. Beijou, transformou. Tudo fruto da imaginação apostrófica romântica feminina!
Bjs e coaxos.

Khaos disse...

HUIASHiaHSIUhAIUShaiS
que puta imaginação que você tem, cara! Realmente, faz sentido xD principalmente a equação uiashiusahuas

Alexandre Terra disse...

quando eu li no inicio q os sapos espirram um liquido branco no olho da femea eu achei q fosse um conto erotico! hauhauhauahua
putz hein! q louco esse texto ae.......bem interessante, assim como o blog inteiro, parabens

http://alexandreterra.blogspot.com/

^-^¨cat disse...

vc eh doidinho né?

Letitia Morgan disse...

O texto é ótimo, delicioso de ler, mas... mesmo se não soubesse, não teria qualquer dúvida acerca do sexo do batráquio, digo, escritor. (rsrsrs)

Jac Bagis disse...

nunca mais verei um sapo da mesma forma rsrsrs