domingo, 23 de dezembro de 2007

Lei da selva

Ao invés de formarem uma rede adolescente de amizade e apoio mútuo, constituíram-se enquanto matilha. Território a proteger e hierarquia a seguir. Nenhuma misericórdia. Aquele que caísse, seria massacrado pelos próprios companheiros. “Se você morrer, esse tênis é meu.”

Apesar de nunca ter feito parte de seus quadros como membro efetivo, minha condição de tabu permitiu-me documentar seus atos e motivações, sua fúria destrutiva respaldada pela necessidade de sobrevivência. Um trabalho quase científico, uma opção pela mais perigosa e gloriosa das missões.

Eles perambulavam; dia e noite; pelas ruas, avenidas e carreiros. A urbe, em toda sua caleidoscópica extensão, era sua selva, tundra e savana. Magérrimos de não comer, engalfinhavam-se em entreveros com hienas e chacais das adjacências, quando não estavam a pular muros atrás de ração abundante, ou de cadelas no cio.

Eram o trabalho dos cães de guarda e o ódio dos proprietários, que esperando um capa preta para preservar a linhagem, viam nascer, do ventre das cachorras em que investiram tanto tempo e dinheiro, um dingo.

Pois era a sua raça, alcunha e distinção: Dingos. Cães domésticos abandonados em ambiente hostil, que após sucessivas gerações, acabaram por retornar a um estado de selvageria.



Paulo Eduardo de Freitas Maciel de Souza y Gonçalves

36 comentários:

AnaCrônica disse...

O texto definiu bem as gangues de aborrescentes que por aih perambulam...

E eu gosto de vira-latas, sim.

ivone fs disse...

Muito foda!

Me deu até fome

tá ótimo!!!

Alana disse...

legalllll

André Luis Rosa e Silva disse...

paulão, o que você escreve é um autêntico retrato de nossa realidade miserável.
abraços

Mário Mariones disse...

linkado.

Andressa, o demônio. disse...

...Matilha...

isso me lembra coisas....

Jessiely Soares disse...

Paulo;

Que Texto !
Parabéns, bela definição dessas gangues. Muito bem escrito.

Parabéns !!!!

Rodrigo de Souza disse...

Verdade, belo texto!

Parabéns!

Bruna disse...

O meu proprietario nao quer que nada saia do meu ventre, seja dingo ou com pedigree.

Amem

Verdelone disse...

Cara...
Se eu escrevesse 10% do que você escreve...eu taria bem...
Abçsss
CIA DOS BOTECOS - www.ciadosbotecos.blogspot.com

Igor Pinheiro disse...

Bem legal mesmo esse lance de definição de gangues, como já disseram, escreve muito bem!

Obs.: mesmo falando mal das séries que a gente comenta lá no blog! uahuahauh

Mila Carvalho disse...

huhauahuahauha[
adorei o negocio das gangues... combinou muito bem com o titulo

http://rainbowpeb.blogspot.com/

Leandro Merlllin disse...

Muito bem expressado, não sei porque mais me lembrou "Trainspotting", o modo como conduziu o texto...
Enfim, gostei da sua interpretação, um relato quase que pessoal, poético poderia dizer.

Abraços mil!
- Leandro Merlllin
Olhar de Sal de Jack
http://olhardesaldejack.blogspot.com

Raphael disse...

Realmente deplorável.

(Só pra retribuir o seu hábio de fazer em meu blog comentários breves e sarcásticos)

lopes disse...

Curti o texto!

Você é claro nas argumentações, e foi muito feliz em sua analogia!

Esta é a sociedade que estamos inseridos.

Parabéns pelo Blog!

Sorte

Luan F. Bittencourt disse...

Muito bom o texto. Relata bem como são as gangues de rua. Bem bolado, e está muito bem escrito!
Ótimo texto.

SO.L. disse...

Bala está pra traficante assim como hormônio está pra adolescente.

Ou não também.

Blog Ten disse...

Lesgal!

Magridt Londrina/Brazil disse...

"...triste realidade de nossa sociedade, que há tempos está colhendo frutos de um lar totalmente desestruturado. Os pais já não oferecem um tempo de qualidade para os seus filhos, assim os filhos crescem e se tornam pais à imagem dos seus próprios pais. Este hábito familiar suicida tem gerado durante séculos uma cadeia que tem aprisionado gerações. Gerações que tem levado para a sua vida um sentimento de orfandade, e criado uma postura de independência como defesa própria..."( texto: http://maesnoreino.blogspot.com/2009/03/ministerio-mae-restaurando-maternidade.html)

De quem é a culpa? dos integrantes da guangue? ou da sociedade que corrompeu pais e mães, famílias e hoje colhe os frutos???

Nocivo disse...

Ler o texto que escreveu é quase que se submeter a uma projeção intensa de imagens. Fora os assuntos que passam por tabu, que se encaixou no livro Totem e Tabu de Freud dentre tantas outras temáticas. Qualidade inegável, parabéns!

David Aragon disse...

Não sei, nunca fui lá...

Keisy Oliveira C. disse...

Gostei do texto abordando as gangues de adolescentes que tem por aí... ''matilhas''... Me lembrei de filmes como os Hooligans e Garotos perdidos...

KGeo disse...

isso eu tinha percebido um dia desses

Hugo Meira disse...

As pessoas são movidas pelo prazer e pela dor e, embora a influência do sistema seja inevitável, é possível superá-lo...

30 e poucos anos. disse...

Triste realidade de um mundo que está a merce de pessoas desequilibradas que acham que o errado está certo e ja não sabem mais a diferença do justo e injusto

stellamsm disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Stella disse...

Parabéns. Gostei muito do texto. Acabei de conhecer seu blog, vou ler mais :) Beijos.

www.scrummiest.blogspot.com

visitemongohelson disse...

Pena que essas gangues deixara mde ser uma coisa mais adolescente e até vem cresendo entre adultos e vários lugares do Brasil e do mundo!

Will disse...

nada mais que a realidade Paulo
gostei

OozZeias disse...

Concordo com o Will... Pura realidade...

http://blog.supersapo.net/

Carlos Eduardo Berger disse...

Uow muito bom!
nosso mundo está podre e a violencia esta uma bola de neve que só cresce.

O real mundo que a midia tenta esconder.
http://soullesscorporate.blogspot.com/

javAlisson disse...

pô paulão, mandou bem, curti mesmo esse texto. E vc sabe que não sou de mentir muito!

Everaldo Ygor disse...

Real como o vira lata que eu tenho aqui do lado...
No surreal caminho para se libertar da domesticação...
Abraço!

Anônimo disse...

legal

Luan Krumper disse...

Belo texto.
Parabéns.

Letitia Morgan disse...

É a nossa lei (generalizando para a classe média, ou aquilo a que chamamos...) afinal. Matilhas Alfa, Beta, Gama...
Abraços