domingo, 6 de outubro de 2013

Vento venenento

Somos N.

Nas baNaNas
somos aliteração.

Gritando verdades aos quatro ventos
puro veneno
embutido em traição.

Somos nossos próprios nomes
que se dizem nomes próprios
eivados de vícios e ócios
vazios em variação.

Mas não.

Antídoto conforme o vento
somos caos causador de alento
constância e constatação.

Pois que o exato oposto
é menos fazer de outro jeito
que causar oposto efeito.



Paulo Eduardo de Freitas Maciel de Souza y Gonçalves

6 comentários:

Carlos Cruz disse...

nem neca nada não.

nana nina o neném.

nemo naturista naufraga navios.

nero nóia nebuliza nitroglicerina e napalm nas nádegas.

nabos nutrem nababo.

naruto nocauteia nerds.

ninguém namorisca nu.


Don Ramon disse...

Puro mercúrio.

Continua morbidamente afiado em suas imagens carregadas

Rafael Stallbaum disse...

Seuvicio.......
Teuvicio.........
Eunicio.............
Submissio..............

Larissa Tollstadius disse...

gostei :)

Li Limeira disse...

Você tem um quê de Punk Rock em seus poemas ...amooo!!!\0/

Luana Gonçalves disse...

Bela poesia!

É, vazios em variação...

http://www.quesunto.com/