domingo, 2 de março de 2008

Prevenir é remediar



A leitura estava tão boa que os mestres já não pareciam mais tão mestres. Assim foi que as interferências constantes na aula tele-transmitida proporcionaram o ensejo para a caminhada vespertina sob a chuva inconstante, conforme requeria o pendor dionísico para o qual subitamente vi-me direcionado.

É uma quinta-feira, véspera de feriado, e em meu íntimo reside a certeza de que mais uma gota de semântica, sintaxe ou morfologia acarretará em overdose, falência múltipla de órgãos, cólicas explosivas; o derradeiro colapso enfim, que um dia nos fará a todos cair duros, não importando onde ou como nos encontremos.

Não se trata aqui das fúteis preocupações do típico hipersensível cidadão urbano do século XXI, cujo excesso de estímulo sensorial tornou incapaz de qualquer esforço de aprendizagem. É que ontem à noite dei uma olhada por conta própria num desses manuais sobre composição de textos, e todos sabem que a combinação deste tipo de leitura e uma tradicional aula de português é ainda mais fatal do que mentos com coca-cola.

Maconha, álcool e cocaína no organismo do motorista apressado na BR garoenta. Um quase isso. Ou, para quem aprecia emoções realmente fortes, cascola, anti-inflamatório intestinal e uma garrafa de vodka em cima de uma barra-forte sem freio, calçado de havaianas na descidão da Barão do Amazonas.

Porque todos reconhecem os perigos particulares e se comprazem advertindo-se mutuamente sobre tais e quais, acomodando-se no entanto ante a inversão de valores suprema: priorizar a forma sobre o conteúdo.

Armada apenas de técnica, toda multidão acrítica - por raivosa que seja - não alcançará nunca estabelecer sua cabeça de ponte rumo à eternidade. Isto porque é necessário ter algo a dizer, conforme nos legou o aclamado pederasta.

Originalidade e criatividade ainda é indispensável, ao contrário do cem por cento de acerto na acentuação, mesmo que o procurem desmentir certos professores e manuais.

Pois se o sucesso constitui-se de noventa e nove por cento de esforço e persistência, é no um por cento de talento que se encontra a diferença entre o genioso e o medíocre.

Paulo Eduardo de Freitas Maciel de Souza y Gonçalves

8 comentários:

Mario de Andrade disse...

Tu basta este bendito porcento, esse um porcento! Paulão zé de chapéu!


Mario de Andrade Fake's, by Bar do Escritor...

Me Morte disse...

Aí eu digo: Eu tenho ou não razão de ser fã dessa cara louco e talentoso?
Praga de noite que agora ficou boa, texto ducaráleo, como dizia meu velho amigo cris.
Paulo, pago pau pra vc, to de quatro,rsss

(li teu texto ouvindo "milagreiro" com cássia eler e djavan, que coisa)

Andressa, o demônio. disse...

Eu estraguei a brincadeira da Coca com Mentos. Foi bem triste e auuunnnn.

Tem alguns que não ligam pros acentos...só assim eu conseguia me salvar...

bando da leitura disse...

gosteidoteutextosempreacheiquequemcontaumcontoaumentaumpontoabaixoasvirgulasoquemandamesmoeacriativadade

Angela Nadjaberg Ceschim Oiticica disse...

Gostei do texto. A linguagem é madura.

nanoross disse...

coca com mentos é meu estômago depois de sair o fim de semana com vc!!!!



e vc sabes q tu é do time dos medíocres né paulo..........hahaha

Ramon disse...

Mário de Andrade pensou nisso também, Guima também.
Só existe o ascento!

Ramon disse...

O dom não existe, existe sim o exercício. Qualquer um coloca acentos ou fa a concordância. Mas nem todos conseguem ser abençoados pelo demônio clássico.