sábado, 10 de maio de 2008

Roll-off

Atordoado por uma solidão sem tamanho, Gervásio procurou, como último recurso, o psicanalhólogo recomendado.

Contando-lhe os medos e traumas advindos do imenso sofrimento de ver seus semelhantes afastarem-se mais e mais a cada dia, percebeu que estava à beira de algum tipo de abismo ao testemunhar o profissional refugar seu dinheiro para não mais ter de aturá-lo.

Remoendo-se em culpas e incertezas várias, recolheu-se a um qualquer canto, e a vida fez-se pranto, até o dia em que, de seu leito de morte, o pai aconselhou-o sabiamente:

- Gervásio meu filho, coisa mais feia um mosquito da sua idade não saber diferenciar desodorante de repelente...





Paulo Eduardo de Freitas Maciel de Souza y Gonçalves



http://nossogarfodecadadia.blogspot.com/2007/08/roll-off.html

Um comentário:

Letitia Morgan disse...

Muitos passam a vida nessa incerteza. Beijos.